Proteínas magras reduzem risco de morte, confirma estudo dos EUA

Dieta rica em nozes, frango e peixe aumenta tempo de vida.

Estudo da Universidade de Harvard foi publicado em revista médica.




Comer proteínas magras, como nozes, frango e peixe, reduz o risco de morrer, em comparação com uma dieta rica em carnes vermelhas, ovos e laticínios - de acordo com um amplo estudo publicado na segunda-feira na revista Journal of the American Medical Association (JAMA) Internal Medicine.

As conclusões confirmam o que muitos especialistas em saúde vêm dizendo há décadas, mas também revelam algumas surpresas.

Por exemplo, dietas ricas em carnes vermelhas e proteínas gordurosas, como ovos e queijo, não estavam ligadas a um maior risco de morrer entre as pessoas saudáveis.

No entanto, para as pessoas com algum fator de risco - como beber muito álcool, ter excesso de peso, ser sedentário, ou fumar - o risco de morte pode aumentar com o consumo de carnes vermelhas.

Liderado por pesquisadores da Universidade de Harvard, o estudo abrangeu um período de três décadas e mais de 130.000 pessoas, mas foi observacional. Por isso, não analisou as razões biológicas por trás das mudanças no risco de morte segundo a dieta, nem demonstrou relações de causa e efeito.

"Nossas descobertas sugerem que as pessoas deveriam considerar comer mais proteínas vegetais do que proteínas animais e, quando elas tiverem de escolher entre as fontes de proteína animal, peixe e frango são provavelmente as melhores escolhas", disse o coautor Mingyang Song, pesquisador no Hospital Geral de Massachusetts.

"Embora estudos anteriores tenham se centrado principalmente na quantidade total de proteínas ingeridas - que é importante -, de uma perspectiva dietética mais ampla, os alimentos que as pessoas consomem para obter proteínas são igualmente importantes", acrescentou.

Os pesquisadores descobriram que carnes vermelhas processadas e não processadas, incluindo carne de porco e de boi, são os tipos de proteínas mais ligados a um maior risco de mortalidade.

A taxa de mortalidade mais baixa foi observada entre pessoas que ingerem proteínas, principalmente através de pães, cereais, massas, feijão, nozes e leguminosas.

Song disse que os pesquisadores ficaram surpresos ao ver que não havia um maior risco aparente de morrer entre as pessoas saudáveis que comem carne vermelha.

"Esperávamos encontrar correlações mais fracas no grupo com um estilo de vida saudável, mas não esperávamos que iriam desaparecer completamente", afirmou.

O pesquisador ressaltou, porém, que um olhar mais atento aos dados mostrou que os membros do grupo com estilo de vida não saudável consomem em geral mais carnes vermelhas, ovos e laticínios ricos em gordura, enquanto o grupo com estilo de vida saudável consome mais peixes e aves.

De acordo com o médico e pesquisador em nutrição Ian Johnson, do Instituto de Investigação Alimentar e que não participou do estudo, a pesquisa é "robusta" e "parece apoiar o consenso crescente de que dietas baseadas em alimentos vegetais são melhores para a saúde a longo prazo do que dietas que contém grandes quantidades de carnes e produtos lácteos".

Johnson observou, no entanto, que o estudo, por ser baseado em dados de questionários, "diz pouco sobre os mecanismos. Está longe de estar claro se as proteínas vegetais são benéficas, ou se as proteínas animais são prejudiciais para a saúde, ou se esses níveis de proteína são simplesmente marcadores para outra coisa".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você tambem vai gostar de: